A rotina das atividades agropecuárias causa estresse aos bovinos, já que fatores simples como a adaptação a novos ambientes, convivência com outros animais, vacinação, desmame e contenções nos currais podem afetar o equilíbrio do organismo. A atenção dos pecuaristas deve estar voltada para esses momentos críticos, para que os animais sejam expostos ao menor número de situações estressantes ao longo de sua vida e de menor intensidade possível.

De sua parte, as empresas de saúde animal desenvolvem constantemente soluções modernas, que minimizam o incômodo dos animais e aumentam sua resistência para enfrentar os desafios diários”,  aponta Emílio Salani, vice-presidente executivo do Sindicato Nacional Da Indústria De Produtos Para Saúde Animal (SINDAN). “São vacinas, antiparasitários, suplementos e medicamentos que produzem cada vez menos efeitos colaterais e melhoram os índices zootécnicos dos animais. Garantir a segurança sanitária das fazendas é fundamental para o conforto dos animais e aumento de produtividade”, complementa o dirigente.

Doenças infecciosas e parasitárias, desidratação, desnutrição, temperatura, flutuações hormonais e metabólicas também atrapalham o equilíbrio do rebanho. Octaviano Pereira Neto, Consultor Técnico da Elanco, empresa integrante do Comitê de Ruminantes do SINDAN, destaca que um animal estressado reduz sua produtividade. “O desconforto causado no animal resulta em alterações no seu status imunitário, bem como um menor consumo de matéria seca, desencadeando menor ganho de peso diário e eficiência alimentar, pois os nutrientes serão utilizados para combater o estresse e trazer o organismo de volta ao equilíbrio o mais rápido possível”, explica o especialista.

O planejamento da infraestrutura da fazenda e a capacitação dos colaboradores quanto à adoção de técnicas básicas de manejo mais humanitárias e racionais também devem fazer parte das rotinas do pecuarista em relação ao bem-estar animal. “Reduzir situações que possam gerar dor ou estresse físico e mental aos animais, garantir iluminação adequada, oferta constante de água, sombra e alimentação de alto valor nutricional é o começo para uma resposta positiva do rebanho e alto retorno econômico ao negócio”, explica Octaviano Pereira Neto.

“O consumidor final também se interessa em saber como o animal é tratado e o avanço de sistemas de certificação focados no bem-estar como ponto de avaliação comprova isso. O setor precisa estar preparado para colaborar cada vez mais com esse processo e garantir o fortalecimento da cadeia”, enfatiza Emilio Salani, vice-presidente executivo do SINDAN.

Pin It on Pinterest

Share This