A vacina contra febre aftosa na dose de 2 ml teve excelente aceitação pelos pecuaristas na campanha oficial de vacinação de maio de 2019, com destaque à qualidade de aplicação e menos reações nos bovinos. Os resultados foram coletados a campo pela CAS (Comissão de Aftosa do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal).

“A vacina de 2 ml foi desenvolvida pela indústria veterinária em tempo recorde, objetivando atender à solicitação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e não ser um obstáculo ao cronograma do Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA)”, diz Elcio Inhe, presidente do SINDAN.

“Ficamos extremamente recompensados pelo feedback dos produtores pois a vacina bivalente de 2 ml representa uma inovação a serviço da pecuária brasileira. Ela é potente, segura e de fácil manejo”, complementa o dirigente.

Emilio Salani, vice-presidente do SINDAN, ressalta que a vacina foi desenvolvida em apenas dois anos, tendo exigido pesados investimentos e comprometimento da indústria veterinária. “Foram 85 milhões de doses somente em testes em partidas-piloto. Mais de 1.200 bovinos sensíveis foram utilizados na fazenda de Sarandi (RS), utilizada pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária, no Rio Grande do Sul. As indústrias fabricantes investiram US$ 15 milhões para ter a nova vacina”, destaca Salani.

“O resultado final é uma vacina excelente, que renova, mais uma vez, o compromisso da indústria veterinária com o sucesso do PNEFA. Mais de 210 milhões de doses da vacina de 2 ml foram utilizadas com êxito na campanha oficial de imunização de maio e outros 110 milhões/doses serão utilizadas em novembro”, informa Fabricio Bortolanza, coordenador da Comissão de Aftosa/CAS, do SINDAN.

Elcio Inhe ressalta que a indústria veterinária apoia o Plano Nacional de Erradicação de Febre Aftosa (PNEFA 2017-2026), elaborado pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, cujo objetivo principal é avançar o status sanitário do Brasil de livre com vacinação para livre sem vacinação – o estado de Santa Catarina já tem o status de livre sem vacinação.

“A indústria apoia integralmente o PNEFA e concorda com o dr. Geraldo Moraes, Diretor de Saúde Animal, do MAPA, quando ele diz que ‘o plano não é simplesmente parar de vacinar contra aftosa, mas substituir a vacinação por ações de segurança e vigilância, dando tranquilidade para os produtores, a indústria, os órgãos governamentais e, por extensão, para todo o país’”.

“A indústria veterinária orgulha-se de colocar a vacina na dose de 2ml, diferenciada e de altíssima qualidade, à disposição dos pecuaristas brasileiros, com a certeza de que é a melhor ferramenta para erradicação da febre aftosa no atual momento do PNEFA”, resume Emilio Salani.

Pin It on Pinterest

Share This